- QUINTA, 09 DE ABRIL DE 2020

OLHAR DIRETO: Fórum Sindical pede que governador libere servidores públicos imediatamente

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto




O Fórum Sindical dos Servidores Públicos de Mato Grosso protocolizou na manhã desta quinta-feira (19), no Palácio Paiaguas, documento pedindo a liberação imediata de todos que trabalham nas secretarias e autarquias do estado, evitando assim maiores casos de infecção do novo coronavírus no estado.




Segundo o presidente do Fórum, Edmundo Leite, os servidores precisam do bom senso do governador para que possam trabalhar de casa e evitar o contato com o público, já que é dessa maneira que está sendo a maior parte da propagação do vírus.


“É necessário que os servidores sejam dispensados do trabalho. O caminho até a secretário, o contato com o povo, qualquer tipo de ato público nesse momento é perigoso. O governador precisa se sensibilizar e liberar os funcionários para que possam ficar em casa”, disse o sindicalista.


Edmundo ainda frisou que essa liberação precisa ser imediata, tanto que uma reunião será feita hoje para decidir o que será feito caso o governador não atenda o pedido do Fórum Sindical.


“Nós vamos correr um risco e fazer uma reunião hoje ainda para decidir. O importante é ele atender nosso pedido e nem esperar segunda-feira, mas sim liberar imediatamente o servidor público. O mais importante é a saúde”, comentou.


Oscarlino Alves, presidente do Sindicato dos Servidores Público da Saúde, também acredita que o mais importante nesse momento é a liberação dos funcionários.


"A situação é excepcional, exige medidas duras. Por isso essa entidade sindical se coloca à disposição do estado para que novos casos não sejam diagnosticados entre servidores e população. Por isso pedimos que o governador libere os funcionários, deixando de plantão apenas os de serviços essenciais como servidores de hospitais e delegacias”, disse o sindicalista.





Entre as medidas, Oscarlino pede a dispensa do ponto biométrico e se não houver a liberação geral dos funcionários, que haja um escalonamento nos trabalhos, mas que seja feito em home Office. “Tais medidas precisam ser tomadas em caráter de urgência”, declara Oscarlino.

Comentários

Deixe Seu Comentário