- DOMINGO, 21 DE JULHO DE 2019

Professores rejeitam proposta do Governo e voltam a protestar em Cuiabá

Os servidores da educação de Mato Grosso não aceitaram a proposta do Poder Executivo Estadual, que se propôs a suspender o corte de ponto dos trabalhadores em troca da suspensão da greve, que já dura 33 dias. Inclusive, eles realizaram mais um protesto, desta vez na Secretaria de Saúde do Estado.

O Governo de Mato Grosso teria se comprometido a devolver em duas parcelas (50% em julho e 50% em agosto) os valores referentes aos salários dos professores uma vez que os dias não trabalhados estão sendo descontados do funcionalismo - quatro dias no mês de maio e todo este mês de junho de 2019. 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdir Pereira, porém, revelou que enquanto não houver uma proposta de aumento salarial de 7,69%, mais a inflação de 3,43% do mês de maio, a paralisação deve continuar. Conforme o sindicalista, além da proposta de aumento salarial, o servidores da educação também exigem a convocação dos candidatos que foram aprovados em concurso público, além da preservação dos recursos destinados à educação mesmo no caso de anistia e de renúncia fiscal às empresas, promovidas pelo Poder Executivo.

“O que suspende a greve é uma proposta de maneira efetiva. E o que nós cobramos inclusive na perspectiva do documento que o Governo encaminhará hoje ao Sindicato é que ele apresente a resposta quanto ao cumprimento da Lei nº 510. Apresente aí efetivamente de maneira escrita acerca do concurso público aqui do Estado, bem como o cumprimento da Constituição do Estado de Mato Grosso, e que no caso de anistia e renúncia fiscal, os recurso da educação devem ser preservados”, avisou o presidente do Sintep-MT.

Valdir Pereira também informou que uma Assembleia Geral dos trabalhadores do Sintep-MT deve ser realizada no próximo dia 1º de julho, na escola estadual Presidente Médici, em Cuiabá, que irá deliberar sobre a continuidade ou não da paralisação. O sindicalista, porém, já adiantou que a posição da diretoria do grupo irá defender a manutenção da greve caso não haja uma proposta efetiva do Poder Executivo Estadual.

O Sintep-MT conta com mais de 40 mil servidores, que atendem em torno de 400 mil alunos das escolas estaduais, e demais unidades ligadas a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT). O governador Mauro Mendes (DEM) mantém o posicionamento de que o Estado não possui recursos para atender a demanda do funcionalismo.

Comentários

Deixe Seu Comentário